quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Livro: Pequenas grandes mentiras



Quando Ana Paula me passou o livro, não fiquei lá muito entusiasmada. Estava #lendovidaedestino e caminhando devagar com a trama. Mas uma hora dessas pensei que uma leitura levinha ia ser bacana pra desanviar. Pensa bem se não parece um livro levinho... 400 páginas de romance água com açúcar...

Só que não.

Li o livro em dois dias. E foi uma porrada na cara. A autora foi muito feliz em fazer com que uma das personagens principais fosse bem leve (e meio louca, meio gente como a gente), com problemas comuns do dia a dia: um emprego de meio horário, uma filha adolescente, dois filhos ainda crianças. A entrada da filha caçula no jardim de infância. O contato com as outras mães, a "política da escola". Madeline é real demais, em especial no seu relacionamento com a filha mais velha e o ex-marido, com as mágoas e dores que o fim da relação deixou.

No dia da orientação dos novos alunos do jardim de infância, enquanto tenta "salvar a vida" de um grupo de jovens, ela se machuca e conhece Jane, nova no bairro, que levava o filho Ziggy para a mesma turma de Chloe, a caçula de Madeline. Há também a deslumbrante e rica Celeste, mãe dos gêmeos Max e Josh. Quando vão buscar os filhos na escola, Amabella ("não é Annabella, é um nome francês"), filha de Renata, reclama que foi agredida por um menino e, na confusão, a culpa cai em Ziggy. Renata se estressa e quer um pedido de desculpas, enquanto Jane tem certeza de que seu filho não machucaria a coleguinha.

Esse é o pano de fundo para uma investigação de assassinato, que acontece dentro da escola. Logo no primeiro capítulo sabemos que alguém morreu, mas não sabemos como nem quem matou. Só sabemos que a morte aconteceu no dia do Festival de Perguntas e Respostas da Escola, em que os pais deveriam ir fantasiados de Elvis e as mães de Aldrey. Alguns capítulos contam com depoimentos de pais de alunos do jardim de infância sobre as outras mães e pais, sobre as crianças, a professora, a diretora e sobre todas as situações decorrentes do bullying que Ziggy é acusado de praticar.

Porém, mais além, vamos encontrar uma situação de muita, mas muita violência. E, também, de como a violência se espalha, silenciosa, capilar, destruindo vidas e criando monstros.

Foi uma história que me tocou muito, por conta do meu histórico de vítima de violência doméstica. Vi minha vida passada em várias situações do livro, agarrada ao volume esperando ver se haveria um fim digno para aquela história. Sim, o fim é digno. Tem um lado bem romanceado, mas há o principal, lá nos últimos capítulos, sobre as mentiras que as vítimas de violência contam para se encaixar na sociedade. Só por isso, o livro valeu pra mim. Mas não é só isso. É preciso discutir abertamente essa questão.

Verei a série, sim, assim que for possível.
_______________
Aline, que prefere ser chamada de Lile. Ou de Nine...