quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Livro: As crônicas de gelo e fogo: A tormenta de espadas



(Ando super atrasada em postar aqui as minhas leituras. O culpado é única e exclusivamente o mestrado, sugando minhas energias por todos os lados. Vamos superar isso um dia? Jamais saberemos).

Daí que o terceiro livro de As crônicas de gelo e fogo assusta pelo tamanho. É o maior dos cinco, e cheio de emoções. Antes do prólogo, o autor explica que a cronologia da saga é diferente: há capítulos que cobrem apenas uma hora, outros um dia, um mês, até um ano. Então, fica um pouco complicado colocar tudo em ordem cronológica. Mas quem se importa? Eu não. Só me importo que a história é envolvente, muito bem escrita, sem furos.

A história começa com acontecimentos do reino de Westeros que se sobrepõem aos que rolaram no livro anterior, durante a Batalha da Água Negra. Mais para o meio do volume, já tempos histórias posteriores, com o destino de parte dos personagens que lutaram naquela batalha.

O reino ainda está em guerra, com Joffrey Baratheon, Stannis Baratheon, Robb Stark e Balon Greyjoy se intitulando reis, cada um a seu modo, cada um com sua batalha. Joffrey é o mais odioso, e vai passar por momentos muito interessantes aqui. Alguns eles, claro, exalando sua crueldade. Stannis, após perder a Batalha da Água Negra, está juntando forças para se reestruturar, criar sua nova estratégia e voltar à disputa. Robb Stark, o jovem lobo, acabou sucumbindo aos encantos de uma jovem nobre e precisou se casar às pressas com ela. Seu acordo de casamento, que fazia parte da estratégia de guerra, foi quebrado, e um novo casamento precisou ser marcado às pressas, entre a sua antiga noiva e seu tio Edmure Tully. Balon Greyjoy continua com seus delírios de grandeza, mas é quase esquecido pelos outros guerreiros.

Falando em casamentos, há quatro importantes no livro. Um deles (que não vou dizer de quem) é conhecido como "O Casamento Vermelho", um assombro que fez muitos leitores ficar de boca aberta. E para quem só assistiu a série de TV, o espanto foi o mesmo.

Aliás, é o melhor livro da saga, pra mim. São muitas reviravoltas na história, muitos personagens que trazem novos rumos, tem o amadurecimento forçado das crianças, o início da "redenção" de Jaime Lannister, o sofrimento de Tyron, as emoções da Muralha... são muitas coisas que tiram o fôlego. Em especial, o epílogo, com a reaparição de uma personagem, de forma cheia de espanto.

Recomendadíssimo!


Já lido:
As crônicas de gelo e fogo: Guerra dos tronos

As crônicas de gelo e fogo: Fúria de reis

_______________
Aline, que prefere ser chamada de Lile. Ou de Nine...