quinta-feira, 3 de abril de 2014

Filme: A caça

Jagten - 2012 (mais informações aqui)
Direção: Thomas Vinterberg
Roteiro: Tobias Lindholm, Thomas Vinterberg
Elenco: Mads Mikkelsen, Thomas Bo Larsen, Annika Wedderkopp

A caça foi um dos indicados ao Oscar de filme estrangeiro em 2014. E eu nem me interessei muito em ver. Mas o Valter, dono da Set Palavras, que vive me indicando livros e filmes, me disse para não deixar de ver essa obra. E, olha... foi tudo de bom.

O filme conta a história de Lucas, um professor de uma escola infantil numa cidade pequena. Ele é atencioso e muito querido pelos alunos. Uma das crianças, Klara, é filha de seu melhor amigo. A família de Klara é um tanto maluca. Ela tem cinco anos e é bastante negligenciada pelos pais. Um dia, Lucas encontra Klara sozinha no mercado: ela saiu de casa e foi até lá sem que seus pais percebessem e não sabia mais voltar. Em outra ocasião, ela está na porta de casa, na hora de ir para a escola, e seus pais estão dentro de casa tendo uma discussão acalorada. Lucas passa pelo local e é o responsável por levar Klara para a escola. O irmão mais velho de Klara ri com um amigo vendo um filme de sexo explícito num tablet. Os dois mostram uma das cenas para a menina, que se sente mal. É nesse ambiente, sem muita atenção, que Klara começa a notar a presença de Lucas.

Um dia, na escola, Klara dá um beijo na boca de Lucas e coloca no bolso dele uma cartinha com um coração. O professor repreende a menina, dizendo que, na idade dela, só se deve beijar na boa dos pais. Ele ainda devolve o coração. A criança, mais uma vez, se sente colocada de lado. Ao fim do dia, ela diz à diretora da escola que Lucas mostrou a ela o seu órgão sexual (e repete as palavras de seu irmão mais velho ao lhe mostrar o filme pornô). A diretora, então, sem conversar direito com Lucas, presume o abuso sexual e toma providências.

A sequência do filme é a luta de Lucas para provar que não é um abusador de criancinhas. O relato de Klara é ampliado e outras crianças começam a repeti-lo. Como a cidade é pequena, Lucas passa a ser acusado por todos e sofre todo tipo de ofensa, especialmente do pai de Klara, até então, seu melhor amigo. Apenas um de seus amigos se mantém fiel, além de seu filho, Marcus.

É cruel ver como a dúvida - que só os espectadores sabem não ser real - muda todos os personagens dessa história. Leo ainda me chamou a atenção para o profissional (que deveria ser um psicólogo) que vai conversar com Klara para definir se houve ou não abuso é tão despreparado que confunde ainda mais a cabeça da menina. E que não há, na cidadezinha, um único psicólogo que preste. A tensão do filme vai aumentando, a revolta contra todos - até contra aquela linda menininha - vai ficando maior. Até o fim do filme, que é muito impactante.

Realmente, ótima dica do Valter! Um filmão, que não ganhou o Oscar, mas cumpriu bem o seu papel.

_______________
Aline, que prefere ser chamada de Lile. Ou de Nine...