domingo, 1 de dezembro de 2013

Pílulas do momento #11

1 - 3G
Quando saímos, só Leo e eu, ele bebe cerveja e logo-logo começa aquela ida desenfreada ao banheiro. E eu fico bem tranquilinha, só na água ou num suquinho. Daí que, quando ele sai da mesa e me deixa sozinha rola um certo momento constrangimento. Mas aí o 3G veio ao mundo e, depois dele, eu nunca mais fiquei sozinha enquanto o Leo vai ao banheiro. 
Mas aí acabei ficando meio dependente.  E isso não é bom. Não rola toda hora tirar o celular da bolsa e ficar navegando por aí enquanto tem gente na mesa. Tô tentando me comportar melhor.

2 - Acolhimento
O encontro da família Borges é sempre uma delícia. Mas dessa vez aconteceu algo diferente. Na noite de domingo pra segunda, fizemos quase uma seção de terapia coletiva. Eu estava lá com o Leo, a Aninha, o Bruno e o Breno. E foi um momento muito importante pra mim, de grandes revelações, de carinho, de comunhão. Talvez tenha sido o maior momento de acolhimento, pra mim, entre a família. O fato é que, depois daquela super rodada de conversa, rolou mais certeza de que, se eu pudesse, roubaria a família Borges só pra mim. 
P.S.: A Aninha merecia ter um talk show. Ela arranca qualquer informação de qualquer pessoa!

3 - Dificuldades
Depois que voltei de NY, minha vida virou uma música da Kátia Cega: "não está sendo fácil".
Vovó já estava num nível de ansiedade sem noção antes da minha viagem. Voltei pensando que nada poderia ficar pior. Ledo engano... Tudo na vida pode piorar. Desde o dia em que voltei pra casa, vovó começou um processo de quase "escravização" comigo. Me chama pra tudo, me liga pras coisas mais bobas, pede a minha opinião pra tudo, faz voz de choro, faz chantagem emocional, não toma os remédios pra tirar a dor nem o pra dormir, e aí reclama de dor e de que não dorme. Não está sendo fácil viver assim...

4 - Banguelinha
Cuca perdeu um dos dentinhos da frente. Foi um susto encontrar o dente no meio da nossa cama e abrir a boquinha dela pra conferir que, sim, era um dentinho dela. Isso aconteceu num domingo. E na quarta ela vai ao Pet Shop. Pedimos pra eles olharem os dentes dela. Aí o pediatra veterinário nos ligou dizendo que estava tudo bem, mas que havia, ainda, uns quatro dentinhos moles, que ela deve perder em breve. Não é pra preocupar, é natural pros 12 anos e meio dela. Só que isso não me acalma, não me acolhe a alma e nem me ajuda a viver. Chorei muito com o Tio Vet contando que ela tem mais uns três anos de vida. É muito, pra um cachorro, mas muito pouco pra mim. Já tô sentindo muito essa falta que eu sei que ela vai me fazer. Agora é curtir esse tempo que ainda vamos passar juntas.

5 - Sonambulismo falador
Às vezes falo algumas coisas dormindo, e isso é um perigo! A Cuca dorme na cama, comigo e com o Leo. E como já não enxerga mais direito nem escuta bem como antes, qualquer mexida nossa merece uma senhora rosnada. 
Diz o Leo que uma noite dessas ela estava especialmente chatinha. E que, numa rosnada em especial, eu quase sentei na cama e disse isso; "Cuca, deixa de ser chata! Se continuar, vou te colocar numa caixinha e te jogar no lixo!". O Leo afirma que eu falei isso mesmo. Mas pensa bem, uma pessoa apaixonada pela cachorrinha ia ter coragem de falar alguma coisa assim, mesmo dormindo? 
Mas a pergunta que não quer calar: por que raios, se eu ameacei jogar a Cuca no lixo, qual a necessidade da caixinha???

_______________
Aline, que prefere ser chamada de Lile. Ou de Nine...