quinta-feira, 18 de abril de 2013

Livro: Um dia

Daí que resolvi ler mais um livro leve para compensar as leituras pras provas do fim do semestre. Escolhi Um dia, de David Nicholls, que conta 20 anos da vida de duas pessoas, Dexter Mayhew e Emma Morley.  Tudo começa no dia 15 de julho de 1988, quando os dois finalmente se conhecem, na festa de formatura da faculdade, em Edimburgo, Inglaterra. Os dois ficam juntos, mas resolvem ser apenas amigos. O livro segue contanto o que acontece no dia 15 de julho dos anos seguintes, contextualizando o que passou.

Emma é sonhadora e determinada, esquerdista, esquentada, lutadora. Dexter é o típico filhinho de papai, tem muito dinheiro, faz viagens espetaculares, é um garanhão, dando em cima de todas as mulheres. Emma tem que lutar muito para sobreviver. Ela quer ser escritora, mas precisa se virar como atriz de um grupo de teatro bem obscuro, como garçonete (e depois gerente) em uma lanchonete de comida mexicana, dando aulas para escolas de periferia. Dexter não sabe o que quer fazer da vida, além de curtir muito. Por acaso vira apresentador de TV e entra num mundo de abusos e auto-destruição.

A amizade dos dois permanece, mesmo que haja uma série de atritos e que os caminhos sejam bem opostos. Emma tenta salvar Dexter; Dexter tenta alavancar a autoestima de Emma.

Em dois momentos, fiquei bem perdida na leitura, quase com raiva do autor. O primeiro é quando Dexter escreve uma carta linda para Emma, a coloca dentro de um livro para enviar pelo correio (direto da Índia), mas perde livro e carta ao sair com uma turista. O outro... bem... o outro eu não vou contar. Mas foi esse outro que motivou uma conversa com a Ana Paula e, no dia seguinte, ela me mandou essa imagem aqui (que, pelo que sei, foi divulgada pelo Skoob):


Foi bem isso. E voltei ao livro, para concluir que ele é bem legal. Por outro lado, optei por não ver o filme. Não quero a Emma com a cara da Anne Hattaway.