terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Quem fala muito...

Então hoje vovó me conta que conversou com uma certa pessoa aí que eu definiria como FDP, mas de quem vovó gosta muito. Sabe-se lá, todo mundo tem um pouco de mau gosto mesmo.

O fato é que essa pessoa reclamou um tanto de um dos filhos. Ela disse que ele é uma pessoa muito fechada, que não conta nada do que faz, do que pensa, do que quer. Aí a sujeita solta a pérola: "Errei na educação dos meus filhos, passei muito a mão na cabeça deles".

(Pausa pra respirar, antes que a ânsia vire algo de fato).

Vovó continuou a contar o caso, dizendo que queria rebater a afirmação, mas que prefere não discutir com essa pessoa. Leo completa, na lata: "Com gente doida a gente não discute". Pois é...

Fico pensando o que, pra essa fulaninha, é "passar a mão na cabeça" dos filhos. Se for permitir que eles fossem espancados quando crianças e adolescentes; se for incentivar o agressor a "colocar ordem na bagunça" por meio da violência física, moral e por ameaças; se for humilhar uma filha com problemas mentais, ameaçando-a com internações, trabalhos inapropriados e "vou contar para o seu pai" e etc., queria saber como seria se a FDP não passasse a mão na cabeça dos filhos...