quinta-feira, 29 de novembro de 2012

O desafio que se esvaiu

Em 2011, comecei um desafio literário, com o objetivo de me obrigar a ler um livro pré-determinado por mês. Em geral, leio mais de um livro por mês quando a maré está tranquila. Quando aparecem os tsunamis, a frequência cai assustadoramente. Os meses de desordem, em geral, vêm no segundo semestre. Isso aconteceu em 2001, quando subverti a ordem, pela praticidade de terminar a lista.

Agora, em 2012, estava sendo uma pessoa bem organizada e educadinha, lendo a lista proposta com quase nenhum atraso. Até outubro chegar. Porque teve mais trabalho, porque agora faço duas disciplinas isoladas no mestrado, porque surgiu um projeto que está me demandando bastante. Não dei conta, pedi arrego. Escolhi livros mais complexos, menos romances. Mais obras sobre cinema. E não consegui.

O livro e outubro era História do Cinema Mundial. Estou lendo ainda, bem devagar. Não cheguei à metade e já tenho muitas ideias sobre ele anotadas e grifadas. O de novembro, Bela Época do Cinema Brasileiro, continua na estante. O de dezembro, o romance A Servidão Humana, talvez seja o único que eu consiga ler ainda este ano, caso decida enfrentar a viagem de avião para Goiás com ele nas mãos.

Ainda estou pensando se vou repetir a dose em 2013 (caso haja 2013, nunca se sabe...). Se for, tenho uma certeza: apenas obras literárias. Porque vai ser um ano de muita leitura complexa, e só a literatura salva a mente da fundição completa. Continuo lendo, não parei. Só diminuí a frequencia, o tsunami de 2012 foi muito forte.

É muito ruim falhar. Mesmo que o desafio seja de mim para mim mesma...