sábado, 25 de agosto de 2012

Carrancas - turismo ecológico

Carrancas fica no Sul de Minas, numa área de serras e com clima Tropical de Altitude. A cidade é bem pequenininha, tem cerca de 4 mil habitantes, e as atividades econômicas principais são a agropecuária e o turismo, em especial o ecoturismo. Há informações de que estão catalogadas cerca de 50 cachoeiras no município. E as visitas a essas cachoeiras é que fomentam o turismo na cidade.

Em nossa primeira experiência na cidade, lembro de ter ficado impressionada com a organização turística. Havia pouca estrutura - pousadas, bares restaurantes e demais equipamentos - mas a questão dos guias estava organizada. Os passeios pelas cachoeiras só podiam ser feitos com guias credenciados, que eram contratados em uma central (que, se não me falha a memória, ficava na praça principal). Essa questão dos guias me impressionou, porque comparei com Ouro Preto, onde não há nada parecido.

Dessa vez, não estava lá tão organizado. Não sei se é porque aqui em OP há um grande esforço para que o turismo seja organizado, e muita coisa já foi planejada e implementada, que meu ponto de vista foi alterado. Não encontrei a central de guias que utilizamos na primeira visita. E, aparentemente, não há mais necessidade deles para entrar nas cachoeiras que ficam em propriedades particulares. Não sei o que aconteceu, enfim.

No sábado, fomos para o almoço na Toca e de lá partimos para o escorregador natural, a 300 metros da sede da pousada, e para uma queda d'água a 700 metros do ponto de partida. Sem guia, fomos seguindo o caminho indicado pelos atendentes da Toca e também pela intuição. Como estamos na época seca, não havia tanta água assim, mas foi divertido ver o sogro encarando o escorregador. Meu cunhado curtiu bastante também. Para a caminhada morro acima, quatro pessoas deixaram o grupo. Quem ficou enfrentou um caminho um pouco enlameado e viu uma quedinha d'água bem simpática, devidamente aprovada pelo sogro - ele super curte.

No caminho para a cachoeira da Toca


A 700m do restaurante, Sogrão se divertindo na cachoeira

No domingo, partimos para o Complexo da Zilda. Iniciamos a caminhada para a Racha, por uma trilha mais difícil (havia cordas em partes do percurso para facilitar o acesso), mas bem curta. Logo estávamos perto da água e das pedras. Foi revigorante. Leo, o irmão e o pai dele foram mais à frente, até a Cachoeira dos Anjos. Mas o caminho era mais árduo e o restante da galera (Fifi, Roberta, Lauro, Fabiana e eu) ficou para trás, só curtindo aquele cenário lindo. Depois, fomos para a Cachoeira da Zilda, uma caminhada curtíssima e mega leve. Mais uma vez, não fomos ao Escorregador da Zilda. Fica pra próxima!

A pessoa vai pra trilha de bolsa... dããã!

Com Fifi, Roberta, Fabi e Lauro

Láááá no fundo, quem se aventurou à cachoeira dos Anjos