sábado, 4 de agosto de 2012

A namoradeira e a fugitiva

Tio Jésus veio passar oito dias conosco. Sozinho. Tia Vera fez aniversário e ele deu a ela uma viagem para o Ceará com as irmãs. Não quis acompanhar, acabou parando aqui com a gente.

Daí, começamos a conversar sobre a vida de adolescente da vovó. O primeiro caso que ele contou foi novidade pra mim. Vovó foi pedida em casamento aos 14 anos. Meu bisavô Camillo era muito casamenteiro e foi logo entregando a mão da vovó pro fazendeiro que a pediu. Mas bisavó Adelina, que tinha de casado aos quinze, achou que ainda era muito cedo e disse não. Prometeu que, aos 16 anos, vovó se casaria com aquele pretendente. Só que o mocinho não deu conta de esperar e foi logo se casando com outra. Vovó tinha 14 anos. Ficou encalhada por mais 14 e só se casou com vovô anos 28. Uma idosa, praticamente ficando pra titia, naquela época.

Pros netos, avôs e avós costumam ser mais sagrados que os pais. Não é simples imaginar que vovó teve um pretendente antes de vovô. Que namorou. Que fez sexo. Parece uma coisa fora de órbita.

E vem Tio Jésus contar que vovó namorou bastante, seja na fazenda onde ela vivia ou depois, quando se mudou para Ouro Preto. Um fazendeiro chamado Zé Rolla (imagina o quanto o Leo e o Otávio riram desse nome, deixando vovó bastante constrangida). Um estudante de engenharia. Um estudante que também jogava futebol. A lista ia crescendo e vovó ficando vermelha e irritada, tentando mudar de assunto.

Uma hora, ela resolveu encerrar o assunto. Tio Jésus então virou pro nosso lado, meio tampando a boca para vovó não escutar e disse: "Ela foi namoradeira!", e começou a rir.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Ele chegou na segunda, dia 23 de julho. O aniversário de Tia Vera foi dia 26. Eles conversaram por telefone na data do aniversário e não mais. No domingo, enquanto íamos caminhando para o restaurante, para almoçar, resolvi provocá-lo.

- Tio, o senhor tem notícias daquela moça que era casada com o senhor e fugiu pro Ceará?

Ele fez cara de que não estava entendendo. E questionou:

- Eu realmente não sei de quem você está falando.
- Uai, Tio, o senhor já esqueceu a Tia Vera?

Foi quando ele perceber que era sobre ela que eu estava falando, e começou a rir.

O fato é que ele me dá liberdade para esse tipo de brincadeira. E, depois que voltamos do almoço, correu para ligar para Tia Vera :-)