quinta-feira, 5 de julho de 2012

A altura

Conheço uma pessoa que costuma dizer assim: "meu problema não é de gordura, é de baixura. Se eu fosse mais alto, não seria gordo". Não vou entrar no tema da gordura, quero falar mesmo é de altura. É que ser baixinha já me incomodou bastante. Na verdade, ainda incomoda, em certos momentos. Mas, no geral, consegui deixar pra lá.

Fiquei pensando nisso depois de ler o post da Lud sobre saltos altos. E, olha, já usei salto pra caramba! Achava lindo, quando era pequena, ver mulheres se equilibrando nos saltos. Em especial a Tia Ylza, que andava em Ouro Preto, pra cima e pra baixo, numa elegância ímpar, em saltos agulha. Tão bacana que ela já posou para fotos de vários turistas, mostrando seus saltos. Infelizmente, há pouco mais de dez anos, vieram as dores no joelho e ela precisou operar. Os saltos não fazem mais parte da vida dela.

Assim que o médico de coluna liberou, comecei a usar saltos. Só poderiam ser do tipo anabela, porque tenho uma escoliose. Óbvio que segui a regra à risca apenas nos primeiros meses. Depois, fui pra todo tipo de salto possível. A ponto de ganhar até 10 centímetros de altura. O que, convenhamos, é uma delícia pra quem mede só 1,62m (diz o personal lá da academia que frequento que perdi dois centímetros por conta de outro probleminha na coluna).

Como eu andada de salto o tempo inteiro, acabei passando por uma situação engraçada. Fui num encontro de amigos usando chinelo. Um dos presentes não parava de me olhar, estava até me incomodando. Passa um pouco de tempo e ele veio conversar comigo. Falou que eu estava diferente, que ficou procurando o que era e só depois de prestar muita atenção ele notou que era o meu tamanho. E aí, me chamou de "propaganda enganosa" e de "vara de cutucar abacaxi".

Meus saltos duraram até o dia em que voltei a morar em Ouro Preto. Não consegui seguir a Tia Ylza e sair por essas ruas irregulares saracoteando de salto. Eles estão aposentados... Dei praticamente todos, deixei só os de festa e um ou outro mais confortável, porque precisa, né? E, depois de ter de abrir mão deles, acabei me acostumando com a minha altura (ou falta dela). Agora, estou brigando é pra recuperar esses dois centímetros que perdi. Porque pode não parecer, mas dois centímetros pra uma pessoa baixinha é coisa pra caramba!