sexta-feira, 22 de junho de 2012

Livro: As nuvens

Aristófanes, autor de As Nuvens, era um teatrólogo grego contemporâneo de Sócrates. Sua especialidade era a comédia. Ele foi personagem de O Banquete, texto de Platão de trata do amor. A participação de Aristófanes em O Banquete é muito bacana: ele fala sobre como as pessoas procuram, sempre, o seu outro, aquele que nos completa.

Em As Nuvens, Aristófanes mostra seu lado mais ferino ao criticar Sócrates e seus métodos de ensino e seu jeito questionador. A crítica parece direcionada aos sofistas, que cobravam para ensinar e utilizavam da retórica apenas para vencer discussões, sem se importar com o fundamento. Outro ponto crítico diz respeito ao ateísmo, que foi uma das acusações formais Aqui, Sócrates é o filósofo que ensina somente a ganhar batalhas verbais, cobra, tem métodos malucos e um bando de seguidores loucos. Justo ele que tanto combateu essa postura dos sofistas...

Temos, aqui, Estepsíades, um pai desesperado com as dívidas que se acumulam, sem saber como pagá-las. Sua ideia é enviar Fidípides, seu filho, para estudar com Sócrates e aprender sobre que discurso usar para engambelar os credores. E, como é uma comédia, nada dá certo para pai e filho. Embora Sócrates apareça pouco durante a peça, todos os seus atos são ridículos. E não deixa de ser engraçado ver aquela figura que conhecemos tão sisuda ser um tanto atrapalhado. É uma crítica muito interessante à sociedade grega e aos sofistas.