terça-feira, 5 de junho de 2012

Filme: Jogos Vorazes

The Hunger Games - 2012 (mais informações aqui)
Direção: Gary Ross
Roteiro: Gary Ross, Suzanne Collins
Elenco: Jennifer Lawrence, Josh Hutcherson, Liam Hensworth

Preciso confessar que estava torcendo o nariz sempre que via alguém comentando esse filme. Ainda mais quando o comparavam aos Crepúsculo da vida. Mas aí fui ler o blog da Marina Carvalho, que formou em Jornalismo comigo e é aficionada por leitura. Ela falava bem do livro. Li o post e, na mesma semana, o filme entrou em cartaz em BH. Fui ver e não me decepcionei.

A história é uma distopia. Um mundo parecido com o nosso, mas bem diferente. Dá a entender que é alguns muitos anos além da nossa era. O país, Panen, onde seria a América do Norte, é um lugar bastante inóspito para Katniss Everdeen, a protagonista. Dividido em Capital e 12 distritos numerados, Panem tem peculiaridades, como o uso do televisão como meio de opressão e a vigilância exagerada dos seus habitantes. O distrito de Katniss, o 12, é minerador de carvão e as pessoas são paupérrimas. Para não morrer de fome, ela caça animais na floresta junto com seu amigo Gale. A caça não é permitida, eles estão infringindo a lei, mas fazem isso por sobrevivência.

Um dos meios de opressão da Capital sobre os distritos são os Jogos Vorazes, competição que acontece anualmente com jovens de 12 a 18 anos, um casal de cada distrito. Eles devem lutar até a morte, de modo que só reste um na arena. Tudo é televisionado, para que os distritos lembrem que quem manda é a Capital. E Primrose, irmã mais nova de Katniss, é sorteada para a luta, mas Katniss se oferece para ir em seu lugar. O tributo masculino do 12 é Peeta Melark, com quem a garota nunca conversou. A preparação, os jogos, a relação de Katniss com Peeta e com seus preparadores dão sequência ao filme.

A história foi muito bem amarrada, mas há algumas falas, que só são explicadas no livro. Um exemplo é como o 12 pode ser tão pobre, tão abandonado, enquanto a Capital é um luxo magnífico. Jennifer Lawrence compõe uma Katniss determinada e incansável na busca por sobrevivência. Josh Hutcherson é encantador como Peeta, impossível não torcer por ele ao longo da trama. Sem contar que ele fez, quando pequeno, o personagem principal de ABC do Amor, que é uma fofura. A direção é muito bacana, mas o destaque mesmo é para a direção de arte, que fez tudo completamente crível dentro dessa distopia.

A posição de Katniss destoa completamente da de Bella, da série Crepúsculo. Não poderia haver comparação mais infeliz. Bella é coitadinha, inexpressiva, submissa, antiquada. Já Katniss toma frente de tudo, sustenta a família, aprendeu a caçar e luta muito para sobreviver, tanto no 12 quanto na arena dos Jogos Vorazes. É uma heroína moderna, que pensa muito nas pessoas que ama, que pensa por si (e não deixa os outros pensarem por ela), que corre atrás do que quer. Determinação, essa é a palavra que melhor a define.

Como o filme me surpreendeu, corri pra ler o livro. E achei muito bom, tão bom quanto o filme (são suportes diferentes, eu sei, não estou comparando).