sábado, 26 de maio de 2012

Das papelarias

Quando me mudei pra BH, a um quarteirão do meu prédio tinha a Papelaria Grafitte. Ela competia cabeça-a-cabeça com o Largo da Quitandeira, buffet que tinha ao lado da portaria, na minha preferência. Eu gostava de ir na Grafitte pra comprar caderninhos, bloquinhos, canetas, lápis, borrachas e tantas coisas fofas que só as papelarias têm e, na volta, passar no Largo da Quitandeira e arrematar um Ele-ela (ou Chapéu de Napoleão). Delícias...

O tempo passou, mudei pra outro prédio, o Largo da Quitandeira morreu e deixou saudade, a Grafitte mudou-se para uma outra loja muito maior e mais bonita. Mas a minha paixão por doces e por papelarias não diminuiu. Ela só mudou um pouco: hoje é mais focada nos cadernos e bloquinhos, acho que por conta da minha profissão.

O fato é que adquiri alguns cadernos recentemente, tão gracinhas, que ainda não tive coragem de usar. E eu uso todos. Não tenho essa de ter dó de usar e guardar pra um dia importante, que quase nunca vai chegar. Obviamente, não uso pra anotar a lista de compras do supermercado, mas sempre uso.



Esses três são da Cavallini & Co., vendidos na Set Palavras, em Ouro Preto. São mais baratos e mais descolados que os Moleskines, e tão charmosos quanto. Escolhi para mim esse da Keep Calm and Carry On, com a bandeira do Reino Unido, e esse da Itália, que é um país pelo qual tenho fascinação. O que está embrulhado pra presente tem na estampa o nome de várias cidades e foi um presente meu e do Leo pra Bel e pro Cau, quando eles vieram pra OP (nesse post tem a foto do momento da entrega do presente).




Esse dois são os cadernos artesanais da Libretto de Bolso, uma marca de BH que é uma fofura. Já tinha comprado antes pra mandar pras minhas amigas secretas de 2011, a Júuh e a Ana. Passei a seguir o blog do Libretto pelo Reader e fiquei apaixonada com essa Série VHS, só com filmes bacanas. Com dá pra comprar pela internet, fui logo reservando os meus dois favoritos: Pulp Fiction, do Tarantino, e O Poderoso Chefão, do Coppola. Ao contrário dos cadernos da Cavallini, esses não são pautados. Por isso, foram eleitos meus próximos cadernos para anotações de filmes, no cinema. Porque quando a gente escreve no escuro, a pauta do papel sempre atrapalha.