sexta-feira, 13 de abril de 2012

Filme: Espelho, espelho meu

Mirror, mirror - 2012 (mais informações aqui)
Direção: Tarsem Singh
Roteiro: Jason Keller, Melisa Wallack
Elenco: Julia Roberts, Lilly Collins, Armie Hammer

Essa onda atual de rever os clássicos contos de fadas está curiosa. Só de Branca de Neve serão dois filmes. Um deles é este Espelho, espelho meu. Ano passado foi A garota da capa vermelha, que foi mega sem graça. Aqui, pelo menos, a história é engraçada e, se não é perfeita, pelo menos traz momentos de entretenimento.

Julia Roberts é a madrasta da Branca de Neve e narradora da história. Ela deixa claro, desde o início, sua ironia e enfatiza que esta não é a história da pobre garotinha de pele clara (porque nunca tomou sol) e cabelos negros, mas a da rainha mais bela do mundo. Lilly Collins, filha de Phil Collins, é a Branca de Neve. Mas vamos combinar que Julia Roberts é bem mais bonita que a Lilly. Então, não faz muito sentido o príncipe Alcott se apaixonar pela mocinha e não pela rainha. Enfim... Lilly é até bonitinha, mas não se compara à Julia.

A história é bem diferente do conto original, mas é uma adaptação bem interessante. O pai de Branca de Neve vai enfrentar um problema do reino e desaparece na floresta entre o castelo e a vila. Durante muitos anos, a menina ficou presa no castelo, sob o domínio da rainha tirana, que ainda espalhou na vila o boato de que a enteada era meio tantã. Os sete anões não são mais mineradores: eles perderam os trabalhos e agora possuem uma ocupação menos convencional. O príncipe aparece bem no começo da história e logo conquista o coração de Branca de Neve e da Rainha.

Um dos destaques do filme é a direção de arte. Os vestidos de Julia Roberts e de Lilly Collins são deslumbrantes. E as cenas de Julia entrando no "espelho, espelho meu" são lindas. O cenário da casa dos anões é uma gracinha, cheio de detalhes. E os atores que interpretam os baixinhos são um achado. Boa parte deles são conhecidos de outros filmes, e eles trabalham com uma sintonia muito legal.

É um filme bem bobinho, mas com algumas gags divertidas. Típico filme de sessão da tarde, que não faz mal a ninguém.