quinta-feira, 1 de março de 2012

Filme: Missão Impossível - Protocolo Fantasma

Mission: Impossible - Ghost Protocol - 2011 (mais informações aqui)
Direção: Brad Bird
Roteiro: Josh Appelbaum, André Nemec
Elenco: Tom Cruise, Jereny Renner, Simon Pegg

Está aí um filme que deixa o espectador ligado do início ao fim. Claro que é necessária uma boa dose de boa vontade com as várias coisas impossíveis que acontecem na trama, e é esta uma das graças da película.

Ethan Hunt, o personagem de Tom Cruise, está preso na Rússia, acusado de matar policiais num ato de raiva extrema pelo assassinato da esposa. Uma equipe do IMF o retira da cadeia abrindo as portas por acesso remoto, para dar a ele uma missão daquelas: recuperar códigos para lançamentos de mísseis, roubados em Budapeste e que podem trazer um grande impacto para o mundo, caso caiam em mãos erradas. Esse é só o início de uma trama eletrizante, em que Hunt precisa correr contra o tempo e promover uma série de ações.

Claro que, como se trata de um filme sobre um grupo de elite americano, seria inevitável ter uma brincadeirinha com os russos: o telefone público que se autodestruirá em alguns segundos simplesmente fica ileso. Hunt, intrigado, volta e dá um soco no aparelho. Você espera uma grande explosão e só uma pequena fumaça sai do telefone. É Hollywood ainda trollando os russos. Por outro lado, as cenas na Rússia são lindas. O Kremlin, as praças, a catedral, tudo dá vontade de fazer as malas e ir lá para visitinha rápida.

A aparelhagem dos agentes é super bacana e traz momentos de tirar o fôlego, como a sequência de Hunt subindo pelas paredes do hotel em Dubai e toda a ação que acontece em seguida, culminando na tempestade de areia e na perseguição a Kurt Hendricks (Michael Nyqvist, o ator que fez o papel de Mikael Blonkvist na versão sueca de Os homens que não amavam as mulheres). Óbvio que Hunt é aquele herói que, além de todos os atributos éticos, tem uma sorte do caramba.

Mesmo que Nyqvist fique melhor como o jornalista Mikael Blonkvist (ai, ai), mesmo que toda a parafernalha dos agentes do IMF seja bem fantasiosa, mesmo que o roteiro tenha algumas falhas bem grandes... o filme é uma graça, ótima diversão para ver na tela grande ou na TV.