quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Filme: Assalto em dose dupla

Flypaper - 2011 (mais informações aqui)
Direção: Rob Minkoff
Roteiro: Jon Lucas, Scott Moore
Elenco: Patrick Dempsey, Ashley Judd, Tim Blake Nelson

Um banco, três assaltantes profissionais, dois assaltantes fuleiros, refèns, um obsessivo hiperativo e muita confusão. A palavra confusão, a gente já sabe, tem muito a ver com filmes da Sessão da Tarde. E é isso, um filme que tem cara de produção para televisão, com uma saladona de clichês e takes convencionais.

Patrick Dempsey é Tripp, um homem que tem hiperatividade e comportamento obsessivo. Ele entra no banco para trocar uma nota de 100 dólares em moedas pequenas. Ele fica encantado por Kaitlin, a atendente bonitona (Asley Judd) e, ao perceber que dois sujeitos que entram no banco vão assaltá-lo, pula sobre Kaitlin para protegê-la. Com eles, também são feitos reféns outra atendente, o responsável pelos sistemas informáticos, o gerente, um consultor para roubos a banco, o segurança e uma cliente sueca. Ao mesmo tempo, três assaltantes profissionais, super equipados, também invadem o banco e trocam tiros com os ladrões fuleiros. Um agente do FBI é morto e Tripp, devido a sua hiperatividade, quer descobrir quem matou o agente e por qual motivo. Aí, tem-se início a trama.

O roteiro é beeeeem mais ou menos. A proposta é ter várias viradas, mas o filme fica confuso e, ao mesmo tempo, bastante previsível. A atuação de Patrick Dempsey é tão caricata que dá medo. Ele faz Tripp com uma leve inspiração no personagem de Jack Nicholson em Melhor é Impossível e toques de Johnny Deep em Piratas do Caribe.

Sério, nem dá pra rir...