quarta-feira, 19 de outubro de 2011

O olho roxo

Daí que desde maio eu estou tentando praticar Moutain Bike. Tentando porque eu só posso nos fins de semana, e olhe lá (fiquei de agosto ao início de outubro sem pedalar). Enquanto eu só tento, o pessoal que pedala comigo (Leo, Lauro, Tanner e Jean) estão firmes e fortes, todo fim de semana. Leo emagreceu uns 8 quilos só no pedal.

Bicicleta é tudo de bom, sempre foi meu brinquedo favorito quando criança, e voltar a pedalar foi muito bom pra mim. É viciante e, como todo vício (ou hobby), requer uma especialização. Os equipamentos de segurança são fundamentais - nem pensar em sair por aí sem capacete, por exemplo! Também tem a roupa própria (no início, é uma comédia usar a bermuda acolchoada), as luvas, a mochila de hidratação. E as sapatilhas. Aqui começa o drama atual: meu olho roxo devido à sapatilha.

Em agosto, meu sogro me deu de presente as sapatilhas e os pedais próprios. O lance é clipar a sapatilha no pedal e aproveitar melhor a pedalada. O pé fica no lugar certo, não escorrega. O esforço é bem menor e há mais segurança. Mas é preciso aprender a tirar o pé do clip antes de descer da bicicleta. Eu treinei um tanto no asfalto e achei que estava bom. E no último sábado, lá fui pra terra, devidamente clipada.

Mas tinha uma pedra no meio do caminho, no meio do caminho tinha uma pedra.

Logo na primeira subida... eu não tenho fôlego, sabe? Toda subida é um desafio enorme pra mim. Ainda mais depois de tanto tempo parada. Na primeira subida eu resolvi parar e empurrar a bike. Só que eu desclipei o pé errado. Pensei em colocar primeiro o pé direito no chão, e tirei o esquerdo do pedal. O direito ficou preso lá e eu caí batendo todo o lado direito no chão. Não era qualquer chão, estava cheio de pedras. O capacete protegeu a cabeça da pedra maior. O resto do corpo ficou lá, encontrando as outras pedras. Doeu mais a que bateu no osso acima do olho, bem na linha da sobrancelha. Doeu na hora, mas deixei pra lá e fui aproveitar o dia, a chuva e a lama. Só coloquei gelo horas depois, quando cheguei em casa.

E ontem, três dias depois, o olho começou a inchar ficar roxo. Ok, né? Faz parte. O problema é que é bem na sobrancelha direita. Uma marca digna de um gancho de esquerda. Parece que eu levei um soco na cara.

Como todo mundo sabe, "cair" é a desculpa que toda mulher que foi espancada usa para justificar os hematomas. E agora, cá estou eu, com o olho roxo e inchado por conta de uma pedra e uma queda, mas com cara de quem levou um soco...

Pra terminar, a sapatilha e o clip não foram a causa do tombo - foi a minha adaptação a eles que levou a essa queda. Ao final do pedal, quando a lama já tomava conta de tudo e eu não conseguia mais clipar a sapatilha, a insegurança tomou conta: sem clipar é muito mais difícil.

Tanner, Lauro e Leo. Nessa hora, começou a chover

Lauro, Tanner e eu. A queda aconteceu 15 minutos antes da foto

No meio do caminho tinha lama, muita lama

No final do pedal, olha a lama aí, gente!

Eu e Leo, bikes no carro e lama pra todo lado

Minha branquinha enlameada

Bom demais! Da próxima vez, vou tentar cair menos :-)