quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Trivial

Quem me conhece sabe que eu não gosto de cozinhar. Não é por falta de esforço, acho que é coisa de dom mesmo. Todas as férias escolares, minha mãe me colocava na cozinha pra aprender a fazer comida. No dia a dia, Laura e eu já ajudávamos em casa com várias coisas, inclusive com a limpeza da cozinha, de outras partes da casa, estendendo e passando roupas e cuidando do lixo. Cozinhar, como demanda mais tempo, era só nas férias. Laura sempre gostou, eu sempre achei blergh. Não conseguia aprender direito e tinha de retomar sempre do começo. Até que eu desisti da coisa.

Quando fui morar sozinha, tinha fogão lá no apê só pra esquentar água pro capuccino e pro miojo. Eu comia na rua. Tinha um orgulho imenso da minha geladeira, que só tinha água, peito de peru, queijo prato, requeijão de copo e sorvete. E cerveja, quando o Leo ia pra lá. E eu dizia que não tinha motivo pra aprender a cozinhar.

Mas aí o mundo gira, a lusitana roda e cá estamos nós sem empregada e com as compras do mês intactas nos armários. Seis quilos de arroz, três quilos de feijão. O que fazer com eles, além de cozinhar? Vovó queria fazer, mas é sacanagem eu deixar ela na beira do fogão, né? Pedi as receitas. Só que, putz, o negócio é muito complexo, não tem medida certa, é tudo no olhômetro. E eu só faço o que as receitas mandam. Daí chamei vovó pra uma consultoria, pra só estar do meu lado dando orientações. E foi assim que, no último domingo, fui debutar no arroz com feijão. Fiz tudo direitinho, acho. Só não provei o arroz porque, né?, não sou masoquista. Mas vovó e Leo disseram que estavam bom.

Procurei as receitas no Dona Benta, mas acabei frustrada. O feijão de lá é pra ser feito sem panela de pressão. Não achei legal e segui as orientações da vovó. Idem pro arroz, que também é super complicado. Eu segui a receita que veio no pacote do arroz.

Duas xícaras de arroz cru

Óleo, alho, sal e a fritura do arroz.
Feijão roxinho
Não sei quanto tempo durou todo o processo. Só que eu fiquei bem satisfeita com o resultado final, mesmo não tendo provado o arroz. Nas "aulas" das férias, eu aprendi (sério) a fazer bifes, daí o trivial tá bem aprendido.

Taí: feijão e arroz. Prontinhos, na panela de pedra.