sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Livro: O Leitor

O Leitor, de Bernhard Schlink, tem a proposta de revisitar a Alemanha após a 2ª Guerra Mundial e seu acerto de contas com o nazismo. Mas é tudo tão leve que o tal pano de fundo fica parecendo uma aquarela desbotada exposta ao sol: sem cor, sem brilho, sem paixão.

Michael é um garoto alemão de 15 anos que começa a se relacionar com Hanna Schmitz, uma moça 21 anos mais velha. Toda a iniciação sexual dele é com Hanna, toda a expectativa de adolescente ele vive com ela. Até o dia em que ela some da cidade. Anos depois, Michael volta a ver Hanna. Ela está no banco dos réus em um julgamento de ex-guardas de um campo de concentração, acusadas de assassinato de judeus. E é aí que o que parecia ser bom vira uma coisa bem sem sentido.

Os temas tratados a partir daí envolvem filosofia, ética, comprometimento, analfabetismo, solidaridade, culpa, arrependimento... mas são tão superficialmente tratados que dá preguiça. A história se arrasta entre as lembranças e as culpas de Michael, mas de um jeito tão mimimi... dá preguiça de ler. E olha que o livro é curto, se a leitura fosse agradável, dava pra terminar em um dia.