sábado, 3 de setembro de 2011

Filme: Harry Potter e as Relíquas da Morte - Parte 2

Harry Potter and the deathly hallows - Part 2 - 2011 (mais informações aqui)
Direção: David Yates
Roteiro: Steve Kloves
Elenco: Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint

Depois de sete livros e sete filmes, chega ao fim a saga do bruxinho simpático e voluntarioso. Harry Potter e as relíquias da morte - Parte 2 é um encerramento digno para a série que encantou meio mundo.

Seguindo o clima da primeira parte, o longa já começa sombrio, com Snape no alto de uma janela de Hogwarts, a escola de bruxos que, agora, dirige. A escola já passava por dias sombrios desde o início da série e, incialmente, éramos levados a crer que o ápice do período ruim seria com a direção da prof. Dolores Umbridge. Porém, com morte de Dumbledore e a gestão de Snape, o que se espera é, realmente, um período de horror. Hogwarts está cinza, a sala comunal da Grifinória está praticamente abandonada. As expressões são só de medo. Do lado de fora da escola, Harry, Rony e Hermione buscam as horcruxes e se preparam para a guerra.

Há coisas muito bacanas no filme:
- O banco Gringotes é maravilhoso. A concepção do lugar, pela direção de arte, é fascinante. Mérito da autora, que foi criativa o suficiente. Mérito da direção de arte, que só melhorou a ideia inicial;
- O campo de quadribol como cena de batalha. Desde o primeiro filme, o campo de quadribol é algo que chama a minha atenção, sempre lindo e colorido. Pena que o melhor jogo tenha sido no primeiro longa e não tenha sido repetido. Mesmo assim, o campo sendo destruído pela guerra é uma imagem bonita e emocionante;
- Apesar de superficial, as cenas em que Hogwarts está sendo destruída e os casais se procurando, se beijando e (re)afirmando amor é bem significativa. Neville Longbottom procurando Luna Lovegood porque não pode morrer sem se declara é tão bonitinho...;
- A autora ter se preocupado, durante toda a série, a mostrar que a vida dos bruxos é como a nossa, dos "trouxas": as pessoas morrem (amigos, parentes, colegas, amores, inimigos etc). E realidade é dura, é preciso sair da casca e ir à luta para sobreviver. O amadurecimento de Harry e seus amigos, que permeia todos os sete livros, mostram como é a vida, de uma maneira lúdica, mas bem realista.

O filme não é todo fiel ao livro. É um pouco frustrante ver as lutas mais intensas, como a que acontece entre Belatrix e a Sra. Weasley, durarem apenas poucos segundos. O que me faz crer que, se a primeira parte do longa não tivesse sido tão arrastada, com a fase do trio principal na floresta, daria para incluir mais cenas com os conflitos entre os bruxos das trevas e os defensores de Harry.

Enfim, foi um fim digno para a série de filmes que encantou tanta gente por aí.