terça-feira, 23 de agosto de 2011

Um post sobre coragem

Enquanto tô aqui de molho, fiquei matutando com meus botões: o que é coragem? De verdade, o que é? Alguém aí sabe? Dizem que coragem é dar a cara a tapa, assumir seus feitos, sejam certos ou errados, enfrentar os medos. Qual a medida da coragem?

É corajosa uma pessoa que leva uma vida pública diferente da vida privada? Uma pessoa que, continuamente, escreva cartas para os jornais exaltando a família como célula mater da sociedade e que, na vida privada, seja um pai de família tirano, ditador e que, não satisfeito só com isso, espanque os filhos? Mais ainda: ele é corajoso se, regularmente, espancar um dos filhos que tem um transtorno mental? Por que essa pessoa esconde da sua vida pública essa parte do seu caráter? O nome disso é coragem ou é covardia?

Falando em covardia, o que dizer, ainda dessa pessoa, se ela tiver cerca de 1,80m e agredir uma mulher de 1,55m? Com tapas e socos? Corajoso ele, né?

E quem sou eu pra falar da coragem de alguém? Eu, que não a tenho para admitir em público que esse agressor está bem perto de mim e que, para proteger o agredido, não tenho coragem de ligar pra polícia e denunciar? Eu não tenho porque sei que uma denúncia vai resultar em mais agressões. Não é covardia, é medo. Medo de saber que novas agressões vão acontecer. Medo de ouvir de novo a mesma voz me pedindo ajuda e eu ter que dizer que tudo está assim porque eu fui lá denunciar. O agressor em questão é tão covarde (sim, ele bate em uma mulher; sim, ele bate em alguém com transtorno mental) que, premeditadamente, não deixa marcas. Um exame de corpo de delito não vão denunciá-lo.

Então, cadê a coragem desse cara? Ele tem coragem de andar por aí, trabalhar, dar pinta de intelectual e de moralizador quando é um ser humano desprezível na vida privada. Coragem de mostrar a casca ele tem. E a podreira é bem varrida pra baixo do tapete.

Parabéns pela coragem de levar essa vida dupla. Porém, é essa sua covardia que, um dia, vai falar mais alto.