segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Conto: Tensão

Aí, segurou meu braço com força. Foi inevitável. Eu comecei a ficar tenso. O que poderia esperar?

Já fazia um tempo que tudo parecia sair o rumo. Um olhar frio denunciava. Seguido, vinha a sobrancelha levantada daquele jeito peculiar, estilo "sobrancelha do desprezo". Não mais que duas palavras trocadas em um tom áspero.

Não sei como tudo começou. Só que a paciência se foi. E tudo culminou ali, naquela hora. Um questionamento simples que virou um enorme potencial de violência. Mas qual foi o gatilho? Não sei.

Se um dia deixamos de dizer alguma coisa, provavelmente ela seria dita ali, mas com uma carga maior de raiva, de orgulho ferido, de despeito. Mas não era isso que me preocupava. Ia doer escutar tudo o que viria, mas seria mais fácil se não estivesse com aquele incômodo. Só sentia a dor do meu braço sendo apertado com força. E a tensão crescendo.