segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Conto: Semente

Eu me apaixonei por você antes mesmo de te conhecer. Escutei a Leninha falando sobre você há algum tempo e assim, de cara, comecei a imaginar como seriam seus olhos, a cor dos seus cabelos, a forma dos seus lábios, o desenho de suas mãos... O rosto da Leninha, a empolgação dela e tudo o mais daquele dia fizeram com que o meu amor nascesse ali. Eu não sabia ainda, mas já estava encantado por você.

Foram dias alegres os que passei imaginando como seria quando, finalmente, eu te conhecesse. Leninha ia, cada vez mais, alimentando minha paixonite. Não sei se ela percebia. Eu tentava me controlar, não mostrar pra ela toda a minha empolgação. Não queria causar ciúmes. Não queria que ela pensasse que, por você, eu a desprezava. Afinal, ainda não nos conhecíamos, tudo podia mudar.  E eu via crescer em nós, em mim  e na Leninha, a expectativa pela sua chegada.

Hoje estamos juntos. E eu olho pra você com um amor, uma paixão que eu jamais imaginaria. Vejo seus olhos, tão lindos quanto eu imaginei; os lábios bonitos como os da Leninha, as mãos, ainda miúdas, que seguram meu dedo indicador com força. Não há mesmo amor maior no mundo, filha.