domingo, 19 de junho de 2011

Livro: Hora Zero






Mais um da Agatha Christie. Meu tempo anda curto, não tenho lido muito ultimamente. Este, li em um dia de muita sala de espera.

Neste livro, a autora já avisa, no prefácio, que a ordem lógica não será a mesma. Sempre, no primeiro terço do livro, há uma morte que desencadeia uma série de ações. Aqui é diferente: uma série de acontecimentos culminam em um assassinato. A trama é bem intrincada, há vários detalhes e pistas que indicam o assassino e também confundem o leitor. O de sempre da Agatha está lá: a ironia, o toque vitoriano e das tradições inglesas, o triângulo amoroso. São poucos personagens, cada um com uma característica marcante.

Lady Tressilian é a inglesa clássica, inválida e apegada às tradições. Ela vive com os empregados e uma parente distante, e recebe em sua casa um amigo vindo da Malásia e o pupilo de seu marido, Nevile Strange, com a primeira e a segunda esposas. Ainda fazem parte da trama o amigo da segunda esposa de Strange, um velho advogado, o sr. Treves e um dos personagens mais interessantes dos livros de água, o superintendente Battle, da Scotland Yard. É ele quem resolve o mistério, com a ajuda não presencial de Hercule Poirot. Ao lembrar do amigo detetive, Battle dá um grande passo na solução do crime.

Pela mudança radical na forma, é um dos livros mais interessantes da Agatha que já li. Talvez isso explique o fato dele ter sido devorado em um dia.