sábado, 11 de junho de 2011

Filme: Um morto muito louco

Weekend at Bernies's - 1989 (mais informações aqui)
Direção: Ted Kotcheff
Roteiro: Roerto Klane
Elenco: Andrew McCarthy, Jonathan Silverman, Catherine Mary Stewart

Vi esse filme quando foi lançado no Brasil. Todos os meus amigos achavam ótimo, divertido, riam muito. Eu achei super sem graça. Revi por esses dias, imaginando que agora, talvez, pudesse encontrar alguma coisa interessante ali. Não, a opinião é a mesma.

O filme começa com dois amigos, Richard e Larry, jovens executivos que trabalham como loucos, inclusive em feriados e fins de semana, com o objetivo de encontrar uma oportunidade e subir na empresa. Nessa busca, descobrem a fraude das apólices de seguro e resolvem contar ao chefe. O que os dois não sabiam é que o chefe, Bernie, era o responsável pela fraude. Ele convida os amigos para um fim de semana em sua casa, com o objetivo de matá-los. E aí, como diz o tradicional narrador da Sessão da Tarde, começa com a "confusão".

Além de Richard, Larry e Bernie, há um matador de aluguel, responsável pela morte de Bernie, uma garota muito bonita, uma série de amigos do chefe, que morre e ninguém percebe. Richard e Larry carregam Bernie para todo o canto, o que leva a situações inusitadas. Como quando Richard e Gwen namoram na praia e o corpo de Bernie vai sendo levado pelas ondas, ou Larry jogando Monopoly com o cadáver. Vichy, o matador de aluguel, responsável pela morte de Bernie, volta e meia vê o homem circulando por aí, com Larry e Richard por perto. Isso gera outras situações "engraçadas".

Se, na década de 1990, eu já não achava engraçado, vendo hoje o filme parece boring demais. Não há nada que realmente capte a atenção, a estrutura do roteiro é bem típica da época, muito diferente da agilidade das comédias de hoje. Enfim, vale para conhecer, mas não muda a vida de ninguém.