quinta-feira, 26 de maio de 2011

Filme: Robbin Hood

Robbin Hood (mais informações aqui)
Direção: Ridley Scott
Roteiro: Brian Helgeland
Elenco: Russel Crowe, Cate Blanchet, Mathew Macfadyen

Não tenho nem ideia de quantos filmes já foram feitos sobre o Herói dos Ladrões. Nem quantos textos já foram escritos sobre o personagem (na minha opinião, Ivanhoe é o mais interessante). A visão de Ridley Scott traz uma nova versão para a história, um tanto diferente do que é convencional. Para começar, Robbin faz parte do exército do rei Ricardo Coração de Leão em uma das Cruzadas. Robert Longstride é só um soldado, mas num golpe do acaso toma o lugar de Robert Loxley, nobre, também do exército, casado com Marion Loxley. A troca de identidade motiva uma série de situações e vai levar ao final, que se aproxima um pouco mais da história "oficial" de Robbin Hood.

Como em quase todas as representações cinematográficas dessa história, a Inglaterra, cenário da trama, é cinza e chuvosa, bastante enlameada. Os figurantes são bárbaros e gritam demais. Há chuvas de flechas em vários momentos. As intrigas entre os nobres pela sucessão do trono também estão presentes. As festas regadas a bebidas - nesse caso, o hidromel produzido pelo glutão Frei Tuck - e praticamente todos se embebedam.

O interessante da visão de Scott é sair da narrativa comum. A obra não é mais uma que trás um galã novo representando Robbin, mas abre novas possibilidades para o entendimento da formação dos justiceiros dos bosques ingleses. Russel Crowe convence no papel principal e Cate Blanchet é competente, mas não tem o jeito doce que costumamos ver em Marion. A personagem, pelo olhar de Crowe, é masculinizada, quase uma executiva moderna. Vale a pena conferir.