terça-feira, 24 de maio de 2011

Filme: Eu sou o número Quatro

I am number four (mais informações aqui)
Direção: D. J. Caruso
Roteiro: Alfred Goudh, Miles Millar, Marti Noxon, Jobi Hughes e James Frey
Elenco: Alex Pettufer, Timothy Olyphant, Teresa Palmer, Dianna Agron

A história começa com um tipo de cena que já não sei se é clássica ou se é clichê: a câmera vem do espaço, mostra a Terra azul e vai se aproximando até chegar ao lugar onde a primeira cena ocorrerá. E já somos apresentados à tensão que percorre o roteiro: duas pessoas são perseguidas e mortas por seres de outro planeta.

A trama é centrada em John, um adolescente que gosta de curtir a vida e ter amigos, mas que vive fugindo. Ele é um dos nove habitantes especiais do planeta Lorien que foram enviados à Terra para fugir dos invasores. Cada um tem um protetor, também de Lorien, e todos vivem fugindo dos Mogadorianos, que também estão na Terra, procurando exterminar os nove que restaram. John recebe avisos em sua pele a cada morte. Três já morreram e John tem uma certeza: ele é o número quatro.

O início dessa história se parece muito com a do Super-homem: jovens retirados de seu planeta para depois retornar e salvar a raça. Por serem extra-terrestres, têm poderes sobrenaturais. O jovem Super-homem teve que aprender a lidar com seus poderes, assim como John. Há o amor nascendo - no caso de John, o primeiro. Isso tudo tentando levar uma vida normal, passando despercebido aos Mogadoriano.

Temos a promessa de grandes cenas de ação, na luta de John pela sobrevivência, seja em sua vida normal, na escola, ou na fuga que empreende. E vemos como ele lida com a vida de adolescente americano e alienígena perseguido. Sarah, a linda e loura Quinn, de Glee, é a moça que balança seu coração e Sam é o nerd que sofre bullying na escola, tem fixação com alienígenas e será parceiro de John na luta contra os ETs do mal.

A trilha sonora é interessante, com Kings of Leon e Adele, pontua bem os momentos de ação do filme e os de rebeldia de John. Michael Bay, diretor de Transformers, é o produtor.

A obra é baseada no livro homônimo, de Jobie Hughs e James Frey, que assinam como Pittacus Lore, e tem a pretensão de ser a nova série literária (e cinematográfica) dos adolescentes e jovens, após o hiato deixado por Harry Potter e Crepúsculo.