sábado, 12 de março de 2011

Livro: Portal do Destino


Depois de ler O Inimigo Secreto e Sócios no Crime, dois livros de Agatha Christie com as primeiras aventuras do simpático casal Tommy e Tuppence Beresford, pulei logo para o quinto e último livro dessa dupla de detetives. E, pela primeira vez, fiquei frustrada com um livro dela.

A história tinha tudo para ser interessante. O casal, agora com mais de 70 anos, deixa a vida em Londres por uma antiga casa no interior, com o objetivo de curtir a aposentadoria. Porém, durante a reforma da casa, Tuppence se depara com uma mensagem cifrada em um livro infantil. "Mary Jordam não morreu de morte natural. Acho que sei que foi. Foi um de nós". A partir disso, ela decide investigar o autor da mensagem e quem foi Mary Jordan.

Como em todos os livros de Agatha Christie, há suspense, mistério, assassinatos e investigação. Porém, a explicação do mistério é algo que está fora da narrativa. Do nada, aparece o autor dos assassinatos. E, também do nada, vem o motivo. Tommy e Tuppence, que são os personagens centrais, parecem coadjuvantes uma trama um pouco sem sentido. O livro é de 1973 e, nessa época, Agatha estava mais interessada em grandes intrigas internacionais, como em Passageiro pra Frankfurt. As duas tramas são um pouco confusas e parecem não ser da Dama do Crime.

Espero que os dois livros de Tommy e Tuppence que ainda não li (M ou N? e Um pressentimento funesto) estejam mais de acordo com o que foram os dois primeiros.