quarta-feira, 16 de março de 2011

Filme: O Vencedor

The Fighter - 2010 (mais informações aqui)
Direção: David O. Russell
Roteiro: Scotto Silver, Paul Tamasy
Elenco: Mark Walhberg, Christian Bale, Amy Adams, Melissa Leo

Os títulos dos filmes em português fazem mais mal do que bem. Pra que traduziram The Fighter como "O Vencedor"? Pra contar o final do filme? Tudo bem que esse tipo de filme tem um final bem óbvio, mas contar no título só piora. Isso é um tema à parte, qualquer dia falo mais sobre isso.

A apresentação dos personagens traz Micky Ward (Walhberg) com uma personalidade apagada, ao lado de Alice (Melissa Leo), sua mãe dominadora, e por Dicky Eklund (Bale), seu irmão que, há 14 anos, venceu um grande nome do boxe. Micky é um lutador mediado que não consegue lidar com a vontade enorme de treinar profissionalmente e com a dominação de sua família irlandesa, grosseira e barraqueira. Suas sete irmãs interferem até mesmo em seu namoro com Charlene (Adams), barista de personalidade forte.

O tempo todo, a família pontua o drama de Micky. Sua falta de personalidade é evidente. Ele prefere romper com seus patrocinadores para ter o irmão ao seu lado, ao mesmo tempo em que busca retomar o apoio do treinador oficial e da namorada. Para ele, mais fácil do que romper com a família maluca é tentar fazer todo mundo se entender, dar as mãos e ser feliz.

Apesar de parecer um pouco insano, é essa postura dele que faz com que Dicky largue as drogas e que a mãe deixe ser ser tão dominadora. E, assim, unindo as duas ponta da história ele consegue, finalmente, ganhar a principal luta de sua vida. Ah, não importo de contar isso não, o título do filme em português já contou.

Christian Bale levou, este ano, o Oscar de melhor ator coadjuvante. É curioso pensar que seu personagem, magro, perdido, iludido e drogado, foi criado pelo mesmo ator que tem vestido a capa do Batman ultimamente. A caracterização, em especial o emagrecimento radical do ator, ficou bem marcante. Nos créditos finais, quando vemos os dois irmãos que foram os inspiradores da história, dá pra notar que Bale fez mesmo um ótimo trabalho.

Melissa Leo, a mãe irlandesa dominadora e prepotente, também venceu o Oscar de atriz coadjuvante. Foi uma boa caracterização sim, mas não acho que o prêmio foi merecido. Hailee Steinfeld, que interpretou Mattie Ross em Bravura Indômita, fez um trabalho mais contundente, para mim.

Resumindo: Bravura Indômita é mais filme. E não levou nenhum Oscar. O roteiro de O Vencedor é previsível e até monótono. Vale mais pelos créditos finais mesmo, apenas pra matar a curiosidade do espectador.