sábado, 26 de fevereiro de 2011

Receitinha de sábado 2

Este foi o segundo sábado sem a nova-moça-que-trabalha-lá-em-casa, a Aline. E eu resolvi voltar a visitar aquele cômodo da casa que tem fogão e geladeira e fazer o almoço. Um nada convenvional, diga-se. Fui fazer cachorro quente. Mas não um convencional. Eu pus a mão na massa... A receita é antiga, de família. Vovó costumava fazer para levar aos encontros da Lareira de Nazaré, um grupo solidário de senhoras aqui de OP. E minha mãe fazia pros lanches de vez em quando. Vamos a ela:

Ingredientes:




1 xícara de leite morno
2 ovos
3 colheres (sopa) de margarina
2 colheres (sopa) de açúcar
um pouco de sal
farinha de trigo até dar o ponto
30 g de fermento biológico


Antes de tudo, que raio de "um pouco de sal" é esse? Que medida é "um pouco"? E que diabo é esse "até dar o ponto"? Enfim... coloquei na receita o tal "um pouco" de sal e descobri qual é o ponto, mostro depois.

A lenda do fermento biológico
Aquí em OP é praticamente impossível achar o fermento biológico. Demos sorte. A Aline conseguiu achar na mercearia do Seu Chico, depois de eu ter ligado pra quase todas as padarias da cidade. Duas delas, a Panini e a Panart vendem o fermento, mas com a quantidade mínima de 500g. E na padaria do Dico vendem a quantidade que o cliente quiser.

Modo de fazer:
O primeiro passo é dissolver o fermento biológico no leite morno.

Fermento no leite. O cheiro é tão bom... lembra tanta coisa boa...
Depois de dissolvido, acrescenta-se os outros ingredientes, exceto a farinha. Eu pulei a parte do açúcar. A farinha é acrescentada aos poucos, até "dar o ponto". O ponto em questão é a massa não grudar mais nas mãos.

Primeira "mão" de farinha de trigo

Massa pronta
Nessa hora, entra a "macumba da cozinha", como diz o Leo. Essa massa precisa ficar uns 30 minutos descansando. Ela vai crescer, porque o fermento vai agir. Um jeito de ver se a massa está boa é separar uma bolinha dela e colocar num copo de água. Quando (e se) a bolinha subir, a massa está no ponto.

Bolinha diz que a massa está no ponto

Já no jeito!
Enquanto a massa cresce, é hora de fazer o molho. A receita diz:  "faça um molho de tomate, acrescente uma colher se maisena dissolvida em um pouco de leite, deixe ferver um pouco e coloque salsichas picadinhas. Não colocar nem muito quente nem muito mole". Anham, Cláudia, senta lá! Receitas da minha família são super sem pé nem cabeça...

Usei uma lata de Tarantela, coloquei a tal maisena dissolvida na água e acrescentei 5 salsichas (Hot Dog Sadia), ferventadas e picadas.

A receita original também diz para fazer paezinhos e rechear com as salsichas. Mas PQP, essa massa é mole demais pra se fazer pão... eu bem que tentei. Daí, resolvi forrar um tabuleiro com a massa e colocar o recheio por cima. Ficou assim:


Pronto pro forno
Colocar em forno pré-aquecido. Na receita não fala por quanto tempo. No meu forno deu 15 minutos. Vi que estava pronto usando a técnica de fincar com o garfo. Se o garfo sair sujo de massa, ainda não está bom. Se sair limpo, tá no ponto.

Alguém tá servido?