segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Livro: Moça com brinco de pérola


Em 2005, uma pessoa de quem gosto muito me disse que o filme Moça com brinco de pérola era uma pintura. Fiquei com vontade de ver, mas demorou um tempão pra isso acontecer. E só agora consegui ler o livro. Tracy Chevalier, a autora, é apaixonada pelo pintor Vermeer, autor da pintura homônima e de mais outros 34 quadros.

Tracy traz no romance uma possível história da moça da pintura. Ela é Griet, contratada para ser criada na casa do pintor. Seu pai é um azulejista que ficou cego no trabalho e recebe apoio da guilda, que consegue o emprego para Griet. O salário que ela recebe vai integralmente para o sustento da família.

Entre as roupas que lava, passa e guarda, visitas ao mercado de carnes, costuras e cuidados com as filhas da patroa, Griet tem como tarefa  limpar o ateliê do pintor. Limpar sem tirar nada do lugar. Ela é cuidadosa, desenvolve uma técnica de retirar os objetos e colocá-los exatamente onde estavam. E é assim que passa a admirar o trabalho de Vermeer e também desenvolve uma adoração pelo pintor.

A relação de Griet com Vermeer vai crescendo. Ela passa a ser assistente do pintor, preparando e lavando as tintas. Ao mesmo tempo, também vê sua relação com Pieter, o filho do açougueiro, mudar. Dividida entre os dois, Griet ainda tem de enfrentar Catharina, a esposa ciumenta do pintor, uma das filhas dele, Cornélia, que se diverte em colocar a moça em situações difíceis junto a sua família e van Ruijven, o mecenas de Vermeer, que a assedia constantemente.

O romance é bonitinho mas - ó céus - o filme é melhor.