domingo, 6 de fevereiro de 2011

Filme: Interlúdio

Notorious - 1946 (mais informações aqui)
Direção: Alfred Hitchcock
Roteiro: Ben Hetch
Elenco: Cary Grant, Ingrid Bergman, Claude Rains

Gosto muito de suspense. Então, é fácil deduzir que eu gosto dos filmes do Hitchcock. Este tem um gostinho a mais, por se passar no Brasil. Não é porque aparece o Cristo Redentor na janela de um avião, ou a praia o fundo de uma varanda. É pela quantidade de expressões em "português" - obrigado, entre, soda - e também pelos nomes próprios locais - Ribeiro, Barbosa, Souza Cruz e Belém. Ouvir tudo isso com sotaque americano fica até divertido.

Interlúdio é mais uma história de suspense do diretor. Vemos Alicia, papel da deslumbrante Ingrid Bergman, filha de um espião alemão, sendo contratada para descobrir coisas da quadrilha do pai que, atualmente, mora no Brasil. Ela se apaixona pelo agente americano Devlin, mas precisa seduzir o atual chefe dos alemães, Alex Sebastian, para descobrir seus segredos.

Alguns planos utilizados pelo diretor são interessantíssimos, como a visão que um jornalista tem da sala o julgamento do pai de Alicia, olhando pela fresta da porta. Também quando Alicia, deitada na cama, de ressaca, vê Devlin na porta do quarto e ele caminha até ela. A câmera substituindo a visão do personagem é um recurso bastante presente no filme.

A tensão sexual entre Alicia e Devlin cresce, assim como a pressão para que ela descubra os segredos da cada de Alex Sebastian. Alicia descobre que a adega guarda o segredo, mas a chave fica constantemente com o, agora, seu marido. O ponto mais alto do filme, em termos de tensão, é a festa em que Alicia r Devlin tentam entrar na adega. Com os cortes e planos detalhe, Hitchcock amarra a atenção do espectador para o desfecho tanto desta ação como da história.

Ver filmes dessa época sempre traz algumas coisas interessantes. Por exemplo, a quantidade de cigarros em cena. O cigarro sempre é aceso quando há tensão ou problema no ar. Outra coisa interessante é ver que a gravação de uma conversa feita pela polícia é reproduzida em um disco de vinil, um LP como qualquer outro. Casados, Alicia e Sebastian dividem o quarto mas dormem em camas separadas - tudo pela moral e pelos bons costumes da época, como ditada o Hays Code. A trilha sonora, da abertura ao BG de um bar ou restaurante, é aquela típica da época, com destaque para a rumba na primeira cena de Devlin e Alicia no Brasil. Rumba? Pois é... será que é porque tem uma sonoridade mais fácil de ser identificada como música latina? Deve ser.