sábado, 19 de fevereiro de 2011

Filme: Bravura Indômita

True Grit - 2010 (mais informações aqui)
Direção: Ethan Coen, Joel Coen
Roteiro: Joel Coen, Ethan Coen, Charles Portis (autor do livro)
Elenco: Jeff Bridges, Hailee Steinfield, Matt Damon, Josh Brolin

Filmes de western vivem em baixa e volta e meia aparece um que resgata o gênero. Em minha vida de amante do cinema, o mais marcante dos resgates foi com Os Imperdoáveis, de Clint Eastwood. É o que também acontece com Bravura Indômita, dos Irmãos Coen. Não é uma refilmagem do clássico com John Wayne, mas uma nova adaptação do livro homômino.

A cores do oeste americano estão presentes. A paleta é composta por tons áridos, cinzas e secos. Mesmo a neve que cai em uma cena é acinzentada, turva. A única cor quente que aparece é o laranja, nos rostos iluminados por fogueiras, mas mesmo assim, com todo o restante da cena envolto em trevas.

Mattie, a protagonista, é uma garota de 14 anos forte, incisiva, insistente e até petulante que busca vingar a morte do pai. Para isso, contrata Rooster Cogburn, um caçador de bandidos e segue com ele e com o Texas Ranger LaBoeuf para capturar o assassino Tom Chaney. A garota dá uma bela volta no comerciante para quem seu pai vendeu pôneis e cavalos. Na conversa, convence Cogburn a perseguir Chaney e corre atrás do "empregado", já que quer acompanhar todo o trabalho. Seu sobretudo e seu chapéu lembram que uma mulher adulta já habita aquele corpo pequeno. E as tranças nos avisam que ali ainda está uma criança.

Cogburn consegue ser irônico, chato, contraditório e adorável ao mesmo tempo. Ao contar sua vida a Mattie, discutir com LaBoeuf e cantar, parece uma pessoa de difícil convivência, irritante. Parece um monólogo com um terapeuta freudiano radical. E é com esse jeito meio irritante que ele consegue criar laços com os dois companheiros de jornada.

O dedo dos Irmãos Coen fica bem visível em algumas cenas, em especial nas que retratam os índios - personagens marginais, maltratados e subjugados no filme. E nas tiradas de Cogburn, por exemplo, quando Mattie reclama um enterro digno para dois bandoleiros: "Se queriam um enterro digno, que morressem no verão", fuzila.

Realmente, mais um bom filme para levantar - outra vez - o western.