terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Feminina

Sempre tive uma tendência à masculinidade no vestir. Acho que foi por causa da Laura, minha irmã mais velha, que sempre foi muito (muito mesmo) chegada em bonecas e bichos de pelúcia. A cama dela vivia cheia desses brinquedos, enquanto eu preferia uma bola e uma bicicleta. Quando nos mudamos pra BH, só havia uma menina no prédio, a Flávia, que foi por anos a minha melhor amiga. Brincava muito de boneca e de Barbie com ela, mas bastava os garotos me chamarem pra ir pro playground andar de bicicleta ou jogar futebol que eu largava a Flávia e ia, feliz da vida. E por crescer entre os meninos, eu acabei me apropriando de algumas coisas deles. Uma delas foi a praticidade das roupas. Nunca gostei de saias e vestidos. Até porque com eles era difícil brincar no play. Passei a ser adepta do short e das calças. Sempre foi assim. Ainda hoje é um suplício pra mim usar saia ou vestido.

Mas tem o calor... Ah, o calor deste verão que tem tomado conta de Ouro Preto e me dá uma bruta saudade dos dias frios de sempre... Foi ele que me fez optar por usar um vestido hoje. Porque só assim mesmo pra eu usar vestido num dia trabalho.

Enfim...

Estava na mesa de café da manhã, com meu tio ao lado. Ele lia jornal, super compenetrado. Terminei meu café e me levantei. Daí ele me pergunta:

- Aline, por que você está assim hoje?

- Assim como?

- Fantasiada de mulher!

Eu mereço, né?