domingo, 23 de janeiro de 2011

Yann

O melhor do final de semana foi ver o Yann. Quase toda vez que nos encontramos, eu fico frustrada porque ele não me dá bola. Imaginem um garoto lindo, fofo, sorridente, de quatro anos de idade que conversa com todo mundo, mas não me dá a mínima bola... é o Yann. Pois neste final de semana ele se dignou a conversar comigo.

Ao nos encontrarmos, ele mal falou. Fui perguntando dos irmãos dele - o Rafa é o garoto mais fofo do mundo, vai fazer 11 anos. Quando eu o conheci, ele tinha a idade do Yann e era divertidíssimo conversar com ele. Então o Yann mal falou comigo e foi grudar no pai dele. O Leo estava lá perto e o Yann ficou de olho nas tatuagens. Logo depois, descolou um estojo cheio de canetinhas e pediu pro Leo desenhar um avião e um relógio no braço dele. Em seguida, ele coloriu de canetinha azul os espaços não tatuados do braço direito do Leo. E eu até comentei com a Pat, a mãe dele, que pro Yann me dar bola, eu ia até fazer uma tatuagem.

Devagarzinho, eu pedi pra ele fazer um desenho no meu braço. Ele veio sorrindo e desenhou um balão. Depois me pediu pra fazer um sol no braço dele. E me desenhou no meu braço esquerdo, com braços imensos, uma boca enorme e olhos fechados, porque, segundo ele, "seu olho é pequenininho". Fiz uma carinha de cachorro no outro braço dele.

Mas o melhor ainda estava por vir. Ele queria ouvir uma história. E o Ricardo, pai dele, disse que a Tia Aline sabia contar. E veio o Yann me pedir pra contar a história dos Três Porquinhos. O problema é que a tia não lembrava da história direito. Fui perguntando e ele mesmo me contou que os nomes dos porquinhos eram Palhoça, Palito e Pedrito. Aos poucos, a história saiu. Ele riu, correu, pegou a marionete do lobo mau pra mostrar como é que o personagem soprou as casinhas e ainda me contou o final da história quando eu ainda estava fazendo o lobo soprar a casinha do Pedrito.

Também teve o lance da casa da árvore que ele desenhou no meu braço. A casa caiu em cima de mim, machucou meu braço e minha perna e eu tive de ir correndo pro hospital tomar uma injeção, dada pelo Dr. Yann. Mas não doeu quase nada, foi só uma picadinha de mosquito e logo logo eu já estava boa de novo.