segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Filme: A Troca

Changeling - 2008 (mais informações aqui)
Direção: Clint Eastwood
Roteiro: J. Michael Straczynski
Elenco: Angelina Jolie, Colm Feore, Amy Ryan, John Malkovich

Clint Eastwood se propõe a contar uma história real do final da década de 1920. Para começar, a reconstituição, com os veículos, os hábitos e até mesmo as cores, é muito bonita. Os tons mais presentes são o marrom, o bege e o cinza. A cor marrom está sempre em volta de Christine Collins, especialmente em suas roupas. Ela é uma mãe solteira que, num sábado, ao voltar do trabalho, vê que seu filho desapareceu. Cinco meses depois, a polícia de Los Angeles entrega a ela uma criança e Christine se vê ás voltas com policiais e médicos que a querem convencer de que a criança é mesmo seu fiho.

É curioso notar que os rostos dos personagens principais ficam sempre com algo escondido, escuro. Christine Collins aparece constantemente com o chapéu enterrado na cabeça, tampando seus olhos. Quando sem chapéu, os cabelos cobrem o rosto, ou as sombras da fotografia. Até mesmo a sombra de uma persiana cobre seus olhos, quando conversa com o médico psiquiatra. Quando seus olhos aparecem, a maquiagem contribui para que eles fiquem escondidos, sob a sombra marrom um tanto carregada.

Angelina Jolie compõe uma Christine desesperada. Já que quase não vemos seus olhos, podemos perceber seu desespero pela composição corporal da personagem. Ao estar oprimida, ela se encolhe e seus ombros aparecem, como se ela, ao se fechar em sua concha, se defendesse. Suas mãos, também, ossudas, estão sempre na altura da cabeça nesses momentos. Assim, o espectador conhece o inferno que virou a vida de Christine depois do sumiço de Walter Collins.

É uma prostituta, presa no hospital psiquiátrico, quem revela uma das cruezas da vida: "Todo mundo sabe que as mulheres são frágeis. São só emoção e nenhuma lógica na cabeça (...) Se somos perturbadas, ninguém precisa nos ouvir".