segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Infância 2

Tia Ylza me contou alguns pedaços da minha infância que eu não conhecia muito bem. Sempre achei que tinha sido uma criança tranquila - independente, mas tranquila.


Por duas vezes, Tia Ylza e Tia Leda deixaram a casa delas e vieram morar com meus avós. A primeira foi quando minha mãe era criança. A segunda, logo depois do meu nascimento. Nessa época, ela e Tia Leda estavam aposentadas e me adotaram. Enquanto eu tentava aprender a falar o nome delas, acabei inventando apelidos que perduram até hoje. Tia Ylza é Aya; Tia Leda é Adê.

Tia Leda me ensinou a ler. Foi com ela que aprendi a juntar as letras e combiná-las, formando palavras. Por conta disso, fui bem mais cedo pra escola e adorava. De noite, enquanto todo mundo ficava na sala de tv, vendo novela e jornal, Tia Ylza ficava comigo, tentando me fazer dormir. Contava um milhão de histórias diferentes e eu sempre pedia mais. Além disso, eu ainda pedia pra ir à cozinha pra beber água no meu "topinho". Mas beber que é bom... nada. Dava um golinho e virava o resto do copo na pia. Também dizia que queria dormir no corredor que ia pro quarto da Penha, a moça-que-trabalhava-aqui-em-casa. E lá ia a tia, comigo no colo, ficar caminhando de um lado pro outro no corredor, pra me fazer dormir.

E também tinha a blusa. Tia Ylza tinha uma blusa com a gola arredondada. Eu ficava no colo dela passando a gola no nariz. Quando ela aparecia pra me fazer dormir sem a tal blusa, lá ia eu reclamar. Ela ia, toda solícita, colocar a blusa por cima do que estivesse vestindo pra que eu pudesse ficar no colo e coçar o nariz com a tal gola. Haja paciência...

Teve também o dia em que ela precisou ir a Ponte Nova para resolver alguma coisa da aposentaria. E eu fiquei o dia inteiro indignada que ela foi sem mim. Quando ela chegou, fiquei perguntando: "Aya, por que você não me levou na sua Ponte Nova?".

Pena que durou pouco, logo a casa dela ficou pronta e pra lá foram, ela e Tia Leda. Eu passei a ser visita na casa delas, e ia pra lá direto. Até hoje.