quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Fim de ano e granizo

Este post ia ser dedicado, somente, à comemoração de fim de ano do trabalho. Foi ontem à noite e foi muito bacana. Enquanto eu salvava as fotos, fui surpreendida por uma chuva de granizo e raios que, além de levar a energia embora (ela até voltou rapidinho) trouxe alguns danos pra minha casa. Falo disso depois. Vamos à festa.

Não, não foi uma festa. Nós nos reunimos para comemorar um ano que foi muito bom. Trabalhamos bastante, como sempre, conseguimos alcançar uma série de vitórias, começamos a trabalhar com clientes novos e tudo o que conseguimos foi calcado na ética e no respeito. Só isso já é um motivo e tanto pra comemorar. Fomos no rodízio de O Passo, que sempre é excelente.


Eu, Adriana e Fabiano, Alex, Natália e Lícia

Outro ângulo: Fabiano, Alex, Natália, Lícia, Nathália, Leo e Adriana

A famosa pizza de goiabada com queijo, a melhor do mundo EVER

De quebra, comemoramos o aniversário do Alex
A Natália foi nossa estagiária em 2009 e continua sendo uma pessoa muito presente. Fomos comemorar sua aprovação no mestrado da UFRJ e a bolsa que ela ganhou. E também foi uma despedida, porque ela está deixando Ouro Preto, mas já ficou marcada como uma pessoa especial pra gente. E o Alex, namorado dela, também está bem ligado à nossa história de trabalho.

Daí, como falei no início, estava cuidando dessas fotos quando caiu a tempestade aqui em OP. Choveu muito granizo. Como eu nunca tinha visto aqui - já vi semelhantes em BH. A maior parte das casas aqui é coberta com telhas de barro, e o granizo faz estrago. Aqui em casa, tivemos um probleminha. As telhas de vidro da claraboia foram quebradas pela força da chuva. Aí, o que chovia lá, chovia aqui dentro, descendo as escadas, que é onde fica a claraboia. Foi muita pedra pela escada. A garagem do trabalho inundou de leve, uns 10 cm de água, porque o ralo estava tampado por uma sacola plástica. Daí, fui cuidar da casa e da garagem, visitar a Tia Ylza de novo, pra ver se estava tudo bem. Aqui, o dano foi mínimo: basicamente, duas telhas de vidro quebrada. O medo foi grande, e com isso a gente aprender o que é o pavor e o desespero de quem perde muito ou que perde tudo numa chuva. E olha até março deve vir muita água por aí.

No início da chuva, gelo acumulando na calçada

Quem estava no carro segurava o vidro, pra evitar a quebra

Depois da chuva, gelo acumulado na área