quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Raiz Goiana #2

O que teve lá:
- Uma família linda toda reunida;
- muita pamonha, deliciosa;
- chuva de manga;
- sol, chuva, calor e frio;
- micos pulando de galho em galho no quintal;
- o bebê mais fofo de todos os tempos;
- churrasco de costela ao estilo medieval;
- um freezer recheado de cerveja Original;
- canastra, buraco, truco e uno;
- muito picolé. Estranhamente, todo mundo estava hipnotizado pelo de groselha, exceto a Candy e eu;
- muito doce;
- tíquete nervoso;
- micro-perereca pulando na cozinha.

E também teve gente:
- que foi confundida com a anfitriã;
- que deu o sangue pela vitória do Galo contra o Flamengo;
- que queimou a manga do vestido;
- que disse que tava comendo umas coisas muito esquisitas;
- dando choque, mas só ziprizizá...

E teve quem:
- quis fazer curso de atiração;
- levou uma cantada com uma manga direto do pé;
- ficou cantando "No dia em que eu saí de casa minha mãe me disse...";
- cantou horrores no videokê.

Mas, principalmente, teve gente que adorou, se divertiu, se emocionou, que quer voltar e que vai voltar.

Não necessariamente nessa ordem.

E, como dizia Luis Vieira, "não é que eu queira falar bem dos meus parentes, mas pra fazer qualquer forró não tinha hora". Bão demais!