quinta-feira, 23 de setembro de 2010

A canção que ele fez pra mim

Desde pequena eu conheço o Tunai. Ele estudou em Ouro Preto, foi amigo da minha família, deu aulas de violão pra minha mãe, se casou com uma prima e sempre voltava a OP para apresentações no Grêmio Literário Tristão de Ataíde (GLTA), criado pelo meu tio e padrinho Padre Mendes. Volta e meia o Tunai aparecia lá em casa e Laura - que sempre foi mais atirada - corria pra pular no pescoço dele. Ganhávamos os LPs autografados e íamos aos shows dele, promovidos pelo GLTA.

Foi em 1984. Eu estava pra fazer seis anos e alguém nos avisou que o Tunai apareceria na televisão. Todos nós nos reunimos pra ver uma espécie de clip dele no Fantástico, domingo à noite. Foi quando apareceu uma espécie de clip da música nova dele na época, chamada Frisson.

Só que não era um dia comum pra mim. Era meu aniversário de seis anos. E nessa época eu achava que fazer aniversário era o dia mais importante da vida da gente. Ficava toda orgulhosa e feliz.

E, naquele dia, há 26 anos, sentada na sala de casa, eu entendi que aquela música era pra mim.

O clip é a cara dos anos 80, olha só: