terça-feira, 11 de maio de 2010

De volta à Ilha do Amor - praias

São Luis está localizada em uma ilha, a Upaon-Açu, que faz parte do Arquipélago do Golfão Maranhense. O nome foi dado pelos índios tupinambás e significa "ilha grande". É tão grande quanto a ilha de Lost: São Luis ocupa cerca de 57% do território. O restante é ocupado pelos municípios de Raposa, São José de Ribamar e Paço do Lumiar.
O principal rio da ilha é o Anil. Ele segue a maré. Quando ela está alta, há fluxo de água na calha. Quando a maré está baixa, você vê o leito do rio coberto de lama e os caranguejos saindo de suas tocas.
Quanto às praias, a orla da parte mais nova da cidade começa com praia da Ponta d'Areia. Não me lembro muito dela e nem voltei lá dessa vez. Dizem que o por do sol visto dessa praia é magnífico.
Na sequência vem a praia de São Marcos, também chamada de praia da Marcela. É a praia dos surfistas da ilha. Lembro de manhãs inteiras passadas lá, sem entrar direito no mar para não atrapalhar os surfistas e nem tomar pranchada. Voltamos lá bem cedo. A praia estava bem vazia, mas ainda bem bonita, com a maré baixa.


Manhã na praia de São Marcos


Em seguida, vem a praia do Calhau, que é a mais badalada. Não era a praia que eu frequentava enquanto morava lá, aliás não me lembro de ter ficado por lá, a não ser passado de carro enquanto procurávamos um apartamento. O hotel em que ficamos fica no final do Calhau e ainda nos dava uma bela visão da praia de São Marcos.


Por do sol na praia do Calhau


Depois do Calhau vem o Caolho, que é a praia em que íamos com mais frequencia. Hoje, ela faz parte da estrutura da Litorânea. Mas há 21 anos não era assim. A praia terminava antes do acesso ao Calhau. Era uma praia mais tranquila, com menos aglomeração. A rua de acesso era pequena e parávamos o carro no início da areia. Dava pra brincar com calma, sem preocupações. Os bares que fomos (Antena Hummm, Barraca do Henrique e Feijão de Corda) ficam no Caolho.

O Caolho, ao entardacer

Depois do Caolho vinha a praia que era a mais movimentada há 21 anos, Olhos d'Água. Só me lembro de ir lá uma vez e não gostamos muito por causa do movimento. Muita gente reunida. Essa praia não tem acesso pela Litorânea e acabamos não indo lá pra ver a estrutura hoje. Após Olhos d'Água vem a praia do Meio, já na divisa com São José de Ribamar, onde fica a praia do Araçagy.

Minha lembrança do Araçagy é de ser a melhor praia da região. Na época em que morei lá, não havia nenhuma estrutura lá. Poucas pessoas iam à praia, os carros eram parados na areia, bem perto da água. Hoje, os carros continuam parando perto do mar. Mas há uma série de barraquinhas e muita gente vivendo delas. Não é uma boa estrutura como a da Litorânea. Nos assustou um pouco a informalidade do local e acabamos não ficando lá. Além disso, a maré estava muito baixa e uma chuva estava se formando.

Olha a chuva chegando lá no Araçagy


Além de rever as praias, foi muito bom voltar à Av. da Paz. Há 21 anos, a rua não era calçada. Era de terra e tinha pouquíssimas casas. O condomínio onde morei era novíssimo, com as paredes azuis e as ferragens da varanda em amarelo forte. Hoje, a rua está asfaltada e tem várias casas e lojas. O prédio já está velhinho e um pouco mal cuidado. Mas a emoção que me veio foi forte ao passar de novo na rua e lembrar daquele ano em que morei ali, correndo na garagem, brincando com os vizinhos, andando de bicicleta pelas ruas e ruelas, comprando picolé de cajá e graviola e sorrindo. Sorrindo muito.

O prédio não está mais novinho. Mas a varanda de onde eu via o mar ainda está lá