quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Identidade

Há muitos anos, Leo mandou um um e-mail super bonitinho para mim. Só que ele errou o provedor do e-mail, que foi parar na caixa de entrada de outra Aline Monteiro. Ela respondeu dizendo que não era ela e se descreveu: tinha a minha idade, minha profissão (além do meu nome), mas morava em um Estado bem longe do meu. Nossos e-mails são idênticos. A diferença é só o provedor.

Por isso, vivo recebendo e-mails que seriam para ela. Respondo a todos falando sobre o engano e envio o e-mail correto dela.

Mas ultimamente, surgiram outras Alines Monteiro por aí. Uma delas estava resolvendo com as amigas com que cor de vestido iriam todas num casamento. Recebi um monte de mensagens com as cores: vermelho, vinho, roxo, lilás, champagne, verde... A esses, deu vontade de responder perguntando onde era a festa e confirmando a minha presença.

Hoje recebi uma mensagem dessas, mas diferente das outras. Um adolescente (só eles escrevem AxXiM) me perguntando sobre em que hora eu iria à lan house porque ele queria me ver de novo. Respondi, como sempre, dizendo que ele estava confundindo meu e-mail com o de outra pessoa. O garotinho, não satisfeito, respondeu dizendo que não adiantava enrolar, ele sabia com quem estava falando, insistindo que não tinha erro. E escreveu um monte falando que ele SABIA que eu trabalhava na tal lan house onde ele me conheceu ontem, que ia lá mais tarde me ver, etc e tal.

É a primeira vez que alguém (dos muitos que me mandam mensagens confundindo e-mails) faz uma defesa tão ardorosa sobre a MINHA identidade. Se eu não tivesse tanta certeza, acho que chegaria até a ficar confusa...