segunda-feira, 6 de julho de 2009

Um poço de ansiedade

Quando alguma coisa pode dar errado, eu já começo a ficar mal. Qualquer tipo de coisa, qualquer tipo de errado. Vem um frio na barriga, uma torção no pescoço, até falta de ar. Isso vem desde sempre. Às vezes é incontrolável. Quase sempre basta me desligar do assunto pra conseguir resolver.

Acontece, em geral, quando todo mundo da família resolve pirar (e eles piram em conjunto). Ao mesmo tempo, aparecem vários trabalhos, pela empresa e particulares. Todos com prazo curtíssimo. Aí, alguém me chama pra fazer alguma coisa urgente urgentíssima. O celular não para de tocar e o e-mail traz a cada hora uma novidade. E aí... vêm os sintomas. E uma vontade danada de comer chocolate.

Há alguns anos eu tento controlar a ansiedade. Já tentei muitas coisas, como fazer esportes e exaurir o físico. Dieta específica. Calmantes naturais. Calmantes não tão naturais.

Nada deu tão certo como a combinação de duas coisas: análise e yoga. Uma me ajuda a pensar antes tomar qualquer decisão. Outra, a respirar fundo e seguir em frente. As duas, combinadas, ajudam a manter uma boa postura, elasticidade, flexibilidade, concentração, calma. Com as duas juntas eu não mergulho no poço de ansiedade.